06/12/2018 às 23h06min - Atualizada em 06/12/2018 às 23h06min

Caso Amaro Neto: Polícia Civil indicia casal acusado de extorsão

De acordo com a polícia, o militar Fernando e a pedagoga Keila foram indiciados pelo crime de extorsão. O PM ainda deve responder duas vezes pelo crime de ameaça

Fonte Gazeta Online

Foto: Ricardo Medeiros

A Polícia Civil concluiu nesta quinta-feira (6) o inquérito envolvendo o policial militar, Fernando Marcos Ferreira e a esposa, Keila Bonde Ferreira. O casal, que é acusado de tentar extorquir dinheiro do deputado estadual Amaro Neto, está preso desde a última sexta-feira (30).

De acordo com a polícia, Fernando e Keila foram indiciados pelo crime de extorsão. O PM ainda deve responder duas vezes pelo crime de ameaça. A PC afirma que as provas juntadas pela defesa do deputado foram suficientes para comprovar que houve extorsão. Ainda segundo a polícia, Fernando e Keila não apresentaram nenhuma prova de que seriam inocentes.

O inquérito será encaminhado ao Poder Judiciário.

O CASO

Fernando foi detido, na tarde de sexta-feira (30), em Cariacica, acusado de tentar extorquir R$ 500 mil do deputado. De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, ao qual a reportagem teve acesso, o acusado teria exigido dinheiro para não tornar público um suposto vídeo íntimo entre o deputado e a esposa do militar.

Consta na ocorrência que, às 11h45, o delegado titular da Delegacia Especializada em Repressão a Crimes Cibernéticos, Brenno Andrade de Souza, determinou que quatro policiais fossem até

Campo Grande

com a finalidade de apurar um suposto crime de extorsão contra o parlamentar.

Segundo a ocorrência, a extorsão teria sido motivada em virtude de um relacionamento do deputado com a mulher do policial. Durante um dos encontros entre ambos, teria sido feito um vídeo íntimo com o parlamentar.

Ainda segundo a polícia, a mulher fez contato com deputado, por meio do WhatsApp, informando que o marido teria descoberto o caso amoroso entre ambos, pedindo, por esse motivo, uma quantia em dinheiro para que a situação não se tornasse pública. Na manhã de sexta-feira, a diligência policial, acompanhada de um assessor de Amaro, foi até à casa da mulher.

FLAGRANTE

Ainda segundo a ocorrência, o assessor ficou por cerca de 25 minutos dentro da casa, enquanto os policiais ficaram do lado de fora da residência esperando a chamada dele. No entanto, o assessor relatou aos policiais, ao sair da casa, que não conseguiu fazer o contato porque o militar teria pegado seu aparelho celular.

O assessor relatou ainda que, enquanto estava na casa da mulher, o marido dela, com uma arma na cintura, fez contato com o parlamentar pedindo R$ 500 mil para apagar todos os arquivos envolvendo o parlamentar. Esse relato também consta no registro da PM.

Diante dos fatos, os policiais foram até a casa do militar para dar voz de prisão ao acusado. Antes disso, eles fizeram contato com a Polícia Militar, já que a ocorrência envolvia um integrante da corporação. A Corregedoria também foi acionada.

Ao chegaram à casa do acusado, junto com a PM, os policiais chamaram pelo cabo, que não respondeu. Como a porta não era aberta, os policiais ameaçaram arrombá-la.

Nesse momento, o cabo abriu a porta e teria dito: “Até sei sobre o que é”. O acusado e a mulher dele foram levados para a Divisão de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio, em Maruípe, Vitória.

O deputado Amaro Neto também foi à delegacia para prestar depoimento. Ele ficou durante toda a tarde no local, saindo por volta das 19 horas. Ao sair, o parlamentar preferiu não fazer comentários

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »