14/01/2021 às 09h16min - Atualizada em 14/01/2021 às 09h16min

Israel faz maior ataque em 10 anos contra Síria e deixa ao menos 57 mortos

O bombardeio ocorre em fase de intensificação contra alvos iranianos, associada à reta final do governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Fonte Agazeta
Segundo a ONG, este foi o ataque mais mortífero realizado por Israel desde o início da guerra na Síria, em 2011. Crédito: Reprodução/ @AEnglish

Pelo menos 57 pessoas morreram após um bombardeio israelense sobre o leste da Síria nesta quarta-feira (13), de acordo com um comunicado divulgado pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH). Segundo a ONG, este foi o ataque mais mortífero realizado por Israel desde o início da guerra na Síria, em 2011.

O bombardeio, confirmado pela Sana, agência estatal de notícias da Síria, ocorre em uma fase de intensificação das ofensivas israelenses contra alvos iranianos -é a quarta do tipo em duas semanas- e horas depois de o ministro da Defesa, Benny Gantz, afirmar que Israel "continuará agindo contra aqueles que tentarem desafiar" o país.

"Não estamos sentados e esperando. Somos ativos defensiva, política e economicamente", disse Gantz, durante uma visita à fronteira sírio-israelense.

Embora tenha mantido a postura de não confirmar nem negar suas operações em território sírio, Israel -cujo premiê, Binyamin Netanyahu é um aliado de Donald Trump- tem adotado uma postura mais agressiva antes da posse do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, que pode reavaliar a política de "pressão máxima" sobre o Irã.

Segundo a Sana, os bombardeios atingiram locais em Al Bukamal, cidade síria que controla o posto de fronteira na principal rodovia que liga Damasco e Bagdá, no Iraque, e que compõe uma rota de abastecimento entre o Irã e combatentes aliados na Síria e no Líbano.

A província de Deir Ezzor, que abriga grupos combatentes da Guarda Revolucionária do Irã e milícias apoiadas por Teerã, também foi um dos alvos. O objetivo de Israel, segundo os relatórios sírios, era destruir depósitos de armas e postos militares nessas regiões.

O balanço divulgado pelo OSDH afirma que, entre os mortos, estão 14 membros das forças sírias e 43 militantes de grupos pró-iranianos, incluindo 16 iraquianos e 11 afegãos que pertenciam à Brigada Fatímida, milícia xiita organizada pela Guarda Revolucionária do Irã.

Um funcionário do setor de inteligência dos EUA afirmou à agência Associated Press, em condição de anonimato, que os ataques desta quarta-feira são parte de de uma guerra aprovada secretamente pelo governo Trump.

De acordo com o oficial, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, reuniu-se com Yossi Cohen, chefe da agência de espionagem israelense Mossad, nesta terça para discutir o ataque aéreo sobre a Síria.

Em dezembro, o general Aviv Kochavi, chefe do Estado-maior das Forças Armadas de Israel, divulgou balanço em que aponta que seu país atingiu mais de 500 alvos sírios ao longo de 2020, com o objetivo de restringir a presença militar iraniana na Síria.

As ofensivas israelenses podem perder um importante aliado ocidental com o fim do mandato de Trump, já que Biden, como próximo ocupante da Casa Branca, deu sinais de que adotará posições menos aguerridas na relação com Israel.

O democrata é contrário, por exemplo, aos assentamentos feitos por Israel na região da Cisjordânia. Os palestinos criticam a instalação de casas nesses locais porque a presença das moradias impede a criação de um Estado palestino, algo que buscam há décadas.

"Estamos aqui para ficar. Nós vamos continuar a construir na terra de Israel", escreveu Netanyahu em uma rede social ao anunciar a construção de 800 novas casas nos assentamentos.

No ano passado, Trump chegou a tentar mediar um acordo de paz na região. Pelo plano, apoiado pelo premiê israelense, os palestinos ficariam com um território fragmentado, ligado por estradas e túneis. A proposta foi rechaçada pelos palestinos, que se recusaram a participar da negociação por considerarem o projeto muito favorável a Israel.

Em novembro, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, visitou um assentamento na Cisjordânia e disse avaliar que a construção dessas moradias não desrespeita a lei internacional, oficializando a mudança de posição de Washington sobre o tema.

No entanto, grande parte da comunidade internacional -incluindo a ONU e a União Europeia- discorda desse entendimento, e há uma grande expectativa de que a gestão Biden retome o posicionamento anterior do governo dos EUA, de que Israel não deve construir moradias nas áreas em disputa
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »