03/08/2020 às 10h49min - Atualizada em 03/08/2020 às 10h49min

Venda da nova gasolina brasileira é obrigatória a partir desta segunda

Combustível terá mais qualidade para garantir eficiência energética e segurança ao usuário. No entanto, produto deve chegar mais caro aos postos

Fonte A Gazeta
Combustível com mais qualidade passa a ter venda obrigatória nesta segunda-feira. Crédito: Ricardo Medeiros

A venda da nova gasolina brasileira, com padrão europeu e dos Estados Unidos, passa a ser obrigatória nesta segunda-feira (3) pelos postos. O combustível que será comercializado, segundo normas da Agência Nacional de Petróleo (ANP), terá mais qualidade para garantir mais eficiência energética para os automóveis.

O novo combustível terá o papel de garantir menos consumo e mais segurança para o usuário. A ideia é que com o novo composto se reduza os casos de adulteração. Porém, o produto deve chegar às bombas com um preço um pouco mais salgado que o atual. Entenda o porquê.

As novas regras exigem que sejam seguidas especificações da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP). A mudança, definida em janeiro deste ano, tem como missão preencher brechas que autorizavam refinarias e importadores a venderem produtos com menor qualidade.

As normas agora estabelecem uma massa específica mínima e um valor mínimo de octanagem RON para a gasolina, o que vai aproximar o produto ao padrão dos Estados Unidos e da Europa.

O valor mínimo será de 92 agora em agosto e passará para 93 em janeiro de 2022. Em outros países, como os europeus, por exemplo, o RON é de 95. De acordo com as novas determinações da ANP, para a gasolina premium ou aditivada, o RON terá que ser de 97 já em agosto deste ano.

Segundo a Petrobras, as suas refinarias têm produzido e comercializado aos distribuidores a gasolina com octanagem RON 93, que passa a ser obrigatória a partir de janeiro de 2022.. A petroleira resolveu antecipar a qualidade. Então, parte da gasolina que será vendida no país já atenderá aos critérios previstos para daqui a um ano e meio.

A especificação, tanto para a gasolina comum como para as premium, vai ter como vantagem a redução do consumo, permitindo maior eficiência energética, ou seja, o carro vai rodar mais quilômetros por litro, o que dará maior proteção aos motores.

Para chegar a esse novo produto, as refinarias da Petrobras precisaram ser adaptadas, já que produziam combustíveis com RON menor daquele que será obrigatório.

O engenheiro mecânico e sócio da Garage Web Engenharia de Veículos, Walter Abramides, explicou em entrevista no final de junho para A Gazeta que a gasolina com um fator de octanagem maior aumenta a performance do carro. “No Brasil, quando se usa uma gasolina ‘podium’ é possível perceber essa diferença, porque o refino é feito de uma forma diferente, que favorece um aproveitamento maior da queima do combustível”, analisa.

ENTENDA AS MUDANÇAS

01 - MAIS QUALIDADE

As regras brasileiras não estabeleciam limites mínimos de massa específica nem valor mínimo de RON, o que permitia a importação e produção de gasolinas mais leves. A gasolina comum terá que ter RON de 92 agora em 3 de agosto e de 93 em janeiro de 2022. Já a gasolina premium terá que atingir 97 já agora no início do próximo mês.

02 - MAIS PROTEÇÃO AO MOTOR
A nova especificação da gasolina melhora o desempenho do veículo, a dirigibilidade e o tempo de resposta na partida a frio, além de manter aquecimento adequado do motor. Também protege o motor de defeitos mais rápidos.

03 - USO DE MOTORES MAIS EFICIENTES
A mudança vai permitir o uso pelas montadoras de motores mais eficientes, com menor consumo e menos poluentes.  Segundo especialistas, quanto maior a quantidade de octanos, mais resistente o combustível é à queima. Assim, ele tem melhor nível de eficiência.

04 - REDUÇÃO DE 4% A 6% NO CONSUMO
Segundo a Petrobras, a nova gasolina vai permitir uma queda de 4% a 6% no consumo de litro por quilômetro rodado.

05 - DESEMPENHO
Segundo engenheiros mecânicos, quando o combustível é comprimido no cilindro, se a octanagem é mais alta, a explosão provocada impulsiona o pistão com mais força para baixo. Porém, a combustão é precoce e fraca se o RON é menor. Isso compromete a eficiência.

06 - MASSA ESPECÍFICA
As novas regras estabelecem uma massa específica mínima de 715 kg/m³ para a gasolina, que significa a quantidade de uma substância em um determinado volume. Quando ela é muito baixa, há menor conteúdo energético por litro, então o consumo aumenta.

07 - PROTEÇÃO CONTRA ADULTERAÇÃO
Os solventes usados na adulteração têm densidade inferior à exigida para a nova gasolina. Então, será mais fácil de descobrir se uma gasolina foi batizada.  Será possível conferir isso mergulhando em densímetro calibrado entre 700 e 750 gramas por litro. Se o valor ficar baixo de 715 será a prova que o combustível foi batizado.

08 - PREÇO DEVE SUBIR
O preço do galão de gasolina deve ficar entre US$ 0,04 e US$ 0,07 (R$ 0,05 a R$ 0,09 por litro) mais caro. Mas a Petrobras diz que o valor mais caro deve ser compensado pelo maior rendimento do motor.

Com informações de agências
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »