02/07/2020 às 13h49min - Atualizada em 02/07/2020 às 13h49min

Documentários de grandes nomes da música para assistir na Netflix

 “Frank Sinatra (foto), em 1947”

Com mais de quatro mil títulos em seu catálogo de streaming no Brasil, a Netflix reúne produções de entretenimento para todos os tipos de gostos, inclusive para quem se interessa em conhecer a história de nomes que deixaram importante legado no mundo da música.

Dentro dessa categoria, há dois que documentários que se destacam nas produções da Netflix: “Sinatra: All or Nothing at All” e “Quincy”. Ambas as produções contextualizam muito bem a importância de Frank Sinatra e Quincy Jones para a música no século XX, além de serem bem avaliadas pela crítica especializada.

Sinatra: All or Nothing at All (2015)


 “Frank Sinatra (foto), em 1959”

Um dos maiores ícones da música mundial, Frank Sinatra (1915-1998) foi um artista completo em sua trajetória, tendo atuado também como produtor e ator. Com tantos anos de carreira e muita história construída, o que não faltam no mercado são documentários e materiais produzidos sobre a vida e carreira artística de Sinatra.

Porém, poucos conseguiram destrinchar com propriedade a vida de Sinatra como o documentário “Sinatra: All or Nothing at All”. Produzido por Alex Gibney, essa produção foi criada para homenagear o centenário do nascimento do cantor, com um estilo intrigante e baseando-se em cenas de concertos, além de entrevistas de Sinatra e de pessoas próximas a ele.

O documentário, dividido em duas partes na Netflix, está centrado em um show de 1971, realizado em Los Angeles, onde Sinatra tocou 11 músicas para o público no Ahmanson Theatre. Cada música foi usada por Alex Gibney para representar um capítulo na vida de Sinatra. É um recurso especial, para dizer o mínimo.

A produção também coloca em cena o forte elo de Frank Sinatra com os cassinos de Las Vegas, onde o cantor era convidado com frequência para realizar apresentações, como o histórico show realizado no Sands Hotel and Casino — apresentação em Las Vegas que rendeu o álbum ao vivo Standing Room Only. Além disso, outro exemplo que conecta o cantor estadunidense à cidade de Nevada é a música Luck Be a Lady, single de Sinatra lançado em 1965, que remete a cassinos e dados.

O fato é que “Sinatra: All or Nothing at All” foi bem recebido pela crítica e pelo público. No site especializado em crítica IMDb, mais de 1.600 pessoas avaliaram o documentário. Atualmente, a produção está avaliada com uma nota de 8/10 na plataforma.

Quincy (2018)


“Quincy Jones (foto), em 2014”

O documentário “Quincy” conta boa parte da vida pessoal e profissional de um dos maiores produtores musicais de todos os tempos, o estadunidense Quincy Jones. Atualmente com 87 anos, ele produziu incontáveis singles e trabalhou com grandes artistas na carreira, como Ray Charles, Frank Sinatra, Michael Jackson, entre tantos outros.

Dirigido por Alan Hicks e Rashida Jones, “Quincy” mostra detalhes da relação de Jones com pessoas que fazem parte do seu dia a dia e com artistas que marcaram a carreira do produtor. Enquanto ele demonstra um carinho muito grande de amizade por Ray Charles e Sinatra no documentário, por exemplo, sobre Michael Jackson ele se restringe a falar mais sobre a relação profissional entre ambos. Para quem não sabe, Jones trabalhou como produtor musical do Rei do Pop nos seguintes álbuns: Off The Wall (1979), Thriller (1982) e Bad (1987).

“Quincy” também mergulha no trabalho de Jones para produzir a clássica canção “We Are The World”, que reuniu 45 nomes da música norte-americana nos anos 1980 — em prol do projeto USA for Africa. O single foi um sucesso no mundo inteiro e arrecadou cerca de 55 milhões de dólares.

Mas Jones fez muito mais do que apenas lançar alguns dos discos de maior sucesso do gênero pop. Ele tem grande influência em promover pessoas talentosas para a música, como foi no movimento rap estadunidense na década de 1990, no qual o produtor musical brigou muito para que esse gênero ganhasse notoriedade na música dos Estados Unidos, algo que a produção do documentário enfatiza muito.

No site de crítica especializada Rotten Tomatoes, “Quincy” foi avaliado por 33 críticos e recebeu 82% de aprovação. O documentário também recebeu avaliações de 161 usuários da plataforma, ganhando 84% de aprovação.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »