13/02/2020 às 14h06min - Atualizada em 13/02/2020 às 14h06min

Viação Itapemirim quer criar companhia aérea com aporte de R$ 2 bi

Empresa afirma ter conseguido recursos de um fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos e que pretende iniciar voos em 2021

Fonte A Gazeta
Avião no pátio do Aeroporto de Vitória. Crédito: Luísa Torre/Arquivo

A Viação Itapemirim, empresa fundada no Espírito Santo e que está em recuperação judicial, tem planos de criar uma companhia aérea.  O presidente do grupo, Sidnei Piva, disse ter fechado um acordo para receber um aporte de R$ 2,1 bilhões de um fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos que permitirá a criação da aérea.

As informações do jornal Folha de S. Paulo, que viajou a Dubai a convite do governo paulista que organizou uma missão para atrair investidores para negócios diversos, entre esses o de logística. À reportagem, Piva afirmou que a nova empresa já deve receber a primeira aeronave comercial de passageiros para operação em 2021.

O empresário explicou que já foram encomendadas 35 aeronaves da Bombardier: 15 com capacidade para 80 passageiros e o restante para 100 passageiros. A ideia é que a companhia seja de baixo-custo (low-cost) e opere voos regionais. Uma das possibilidades estudadas é a de oferecer um serviço integrado de ônibus e avião para transporte de carga e passageiros.

Piva, no entanto, não informou se ele fechou negócio com o Adia (Abu Dhabi Investment Authorit) ou o Mubadala, que são os fundos soberanos dos Emirados Árabes Unidos.

Se o negócio sair do papel, essa seria a terceira tentativa do Grupo Itapemirim de ter uma companhia área. Na gestão de Camilo Cola, na década de 1990, a empresa fundada em Cachoeiro de Itapemirim chegou a criar a Itapemirim Cargo, que operou em várias cidades do país até perder o registro em 2000.

Em março de 2017, o grupo Itapemirim - já em recuperação judicial e sob o comando dos empresários Sidnei Piva e Camila Valdívia - comprou a empresa de aviação regional Passaredo (hoje Voepass). A ideia na época também era integrar rotas de avião e de ônibus. A aquisição, no entanto, acabou cancelada em setembro do mesmo ano por falta de cumprimento de cláusulas do contrato por parte da Itapemirim.
 
Sonho do grupo, a criação da uma companhia aérea, porém, não é fácil. Além da necessidade de investimentos vultuosos - o que é  ainda mais difícil para uma empresa em dificuldades financeiras como a Itapemirim -, é preciso superar uma série de procedimentos legais da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para conseguir a concessão.

É preciso, por exemplo, que a empresa tenha " todas as condições técnicas e operacionais definidas pela ANAC e atenda as demais leis e normas infralegais aplicáveis", informa o site da agência.

CONFUSÃO JUDICIAL

Sidnei Piva voltou à presidência da Viação Itapemirim após uma decisão judicial que afastou Camila de Souza Valdívia do comando do grupo em dezembro do ano passado. Os dois são sócios e compraram a empresa da família Cola em 2016.

A Itapemirim está em recuperação judicial desde março de 2016, quando o grupo alegou ter R$ 336,49 milhões em dívidas trabalhistas e com fornecedores, além de um passivo tributário de cerca de R$ 1 bilhão. O plano de recuperação judicial foi aprovado pelos credores em abril de 2019 e, desde então, a companhia tem realizado leilões para pagar as dívidas.

RELEMBRE
Entenda a recuperação judicial da Viação Itapemirim

Recuperação judicial
Uma das maiores empresas de transporte rodoviário do país, a Viação Itapemirim entrou em recuperação judicial em março de 2016, junto com outras empresas que pertenciam à família de Camilo Cola.

Dívidas
A empresa alegou ter R$ 336,49 milhões em dívidas trabalhistas e com fornecedores, além de um passivo tributário de cerca de R$ 1 bilhão.

Venda
Cerca de sete meses depois de ter a recuperação deferida, a família Cola vendeu as empresas recuperandas para Camila Valdívia e Sidnei Piva de Jesus, empresários de São Paulo.

Briga
Cerca de nove meses após o negócio, Camilo Cola e Camilo Cola Filho afirmaram ter sofrido um “golpe”, alegando que os empresários que compraram a empresa não honraram com o acordo. A família tenta, desde então, anular o negócio.

Dentro da lei
Os sócios da Itapemirim, Camila e Sidnei, sempre refutaram as acusações e afirmaram que tudo foi feito dentro da lei.

O plano de recuperação
Mais de três anos após o início da reorganização, o plano de recuperação judicial foi aprovado pelos credores do grupo em abril de 2019 e homologado pela Justiça.

Divisão do grupo em partes
Os credores aprovaram que a empresa seja dividida em cinco Unidades Produtivas Isoladas (UPIs), que vão absorver os principais ativos da companhia, como imóveis e linhas de ônibus.

Pagamento das dívidas
Após esse ano, a empresa iniciará o pagamento das dívidas. Se os leilões não tiverem sucesso, haverá o parcelamento em 80 vezes.

Briga entre sócios
Sidnei e Camila iniciaram na segunda metade de 2019 uma briga na Justiça pelo comando do grupo. Ele chegou a ser destituído da presidência após decisão da primeira instância da Justiça paulista, mas voltou ao cargo após liminar de segundo grau concedido em dezembro.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale com o Portal
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp