14/01/2020 às 10h11min - Atualizada em 14/01/2020 às 10h11min

Dólar opera em alta pelo 4º pregão seguido e bate R$ 4,16

Na véspera, a moeda fechou em alta de 1,19%, negociada a R$ 4,1412.

Fonte G1
Notas de dólar — Foto: Gary Cameron/Reuters

O dólar opera em alta pelo 4º pregão seguido nesta terça-feira (14), após subir mais de 1% na véspera.

Às 10h13, a moeda norte-americana subia 0,09%, vendida a R$ 4,1461. Na máxima da sessão até o momento chegou a R$ 4,1611.

Na véspera, o dólar fechou em alta de 1,19%, negociado a R$ 4,1412. É a maior cotação de fechamento desde 10 de dezembro (R$ 4,1483). Na parcial do mês, o dólar tem valorização de 3,28% sobre o real.

Sem atuação do BC

Segundo analistas, a falta de sinalização de oferta de dólares pelo Banco Central eleva a procura pela moeda dos Estados Unidos.

"A falta de sinalização do Banco Central em relação à oferta de dólares no mês de janeiro, seja através dos leilões de swaps e/ou vendas no mercado à vista, tem gerado larga procura pela moeda norte-americana, especialmente após o início do conflito geopolítico entre Estados Unidos e Irã", disse em nota Ricardo Gomes da Silva, da Correparti Corretora.

"Aparentemente o BC está buscando a autorregulação do mercado, até porque não há sinais de ataque à moeda nacional", completou.

Desde o início do ano, o Banco Central deixou de leiloar contratos de swap reverso e dólares à vista como forma de injetar liquidez nos mercados, destaca a Reuters

Nesta segunda-feira, os investidores também estavam reagindo a dados sobre o setor de serviços nacional, que interrompeu dois meses de ganhos e registrou o pior resultado para novembro em três anos, pressionado principalmente pelo setor de transportes.

No exterior, o dólar subia 0,11% contra uma cesta de moedas importantes e avançava contra moedas arriscadas, como o peso mexicano, a lira turca e o dólar australiano. A força da moeda norte-americana pode ser atribuída ao otimismo global em relação à assinatura de um acordo comercial inicial entre EUA e China.

Na quarta-feira, o governo norte-americano realizará uma cerimônia para a assinatura da "fase um" do acordo comercial com a China, em um evento amplamente aguardado depois de 18 meses de conflito entre as duas maiores economias do mundo
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »