21/11/2019 às 13h04min - Atualizada em 21/11/2019 às 13h04min

Estudo mostra como cérebro se regenera após metade dele ser removida

Metade restante se reorganiza para assumir funções do hemisfério removido, com áreas especialistas aprendendo a funcionar como generalistas

Fonte Olhar Digital
Logo após o nascimento de seu primeiro filho, Monika Jones descobriu que ele tinha uma condição neurológica rara que tornava um lado de seu cérebro anormalmente grande. Henry sofria centenas de crises convulsivas por dia, apesar de receber altas doses de medicação. Ele precisou de várias cirurgias, começando aos 3 meses e meio de idade, levando a uma hemisferectomia anatômica completa, ou a remoção de metade do cérebro, quando completou 3 anos.

O procedimento foi desenvolvido pela primeira vez na década de 1920 para tratar tumores cerebrais malignos. Mas seu sucesso em crianças com malformações cerebrais, convulsões intratáveis ​​ou doenças em que os danos estão confinados a metade do cérebro surpreendeu até mesmo cientistas experientes. Após o procedimento, muitas crianças conseguem andar, conversar, ler e realizar tarefas diárias. Aproximadamente 20% dos pacientes que realizam o procedimento conseguem ter um emprego quando adultos.

Após a operação as crianças ficam significativamente mais fracas nas mãos e nos braços no lado oposto à operação. A visão fica bloqueada desse lado, e elas também podem perder alguma capacidade de reconhecer de onde vêm os sons. “Há algumas coisas que definitivamente exigem um nível mais alto de reabilitação e aprendizado. Por exemplo, leitura, escrita e matemática ”, disse o Dr. Ajay Gupta, neurologista pediátrico na Cleveland Clinic, que já acompanhou quase 200 crianças após a cirurgia.

Agora, uma pesquisa publicada na revista Cell Reports sugere que alguns indivíduos se recuperam tão bem da cirurgia devido a uma reorganização na metade restante do cérebro. Os cientistas identificaram uma variedade de redes que assumem as funções do tecido removido, com algumas áreas especialistas do cérebro aprendendo a operar como generalistas.

"O cérebro é extraordinariamente plástico", disse Dorit Kliemann, neurocientista cognitivo do Instituto de Tecnologia da Califórnia e autor principal do estudo. "Ele pode compensar a perda dramática da estrutura cerebral e, em alguns casos, as redes restantes podem suportar cognição quase típica".

"Sempre que examinávamos as imagens dos cérebros dos pacientes, dizíamos: 'Uau, esse cérebro realmente não deveria funcionar'", disse Ralph Adolphs, neurocientista cognitivo do Instituto de Tecnologia da Califórnia e co-autor do estudo. "Se você pegar qualquer outro sistema que possua várias partes cujas funções dependam uma da outra, como o coração, e você o dividir ao meio, ele não funcionará. Se você pegar meu laptop e o cortar ao meio, ele não vai funcionar. "

A maioria das redes cerebrais, como o reconhecimento facial, usa os dois hemisférios para funcionar. Outras habilidades, como a capacidade de mover os membros, são processadas por lados opostos do cérebro. "É como se você precisasse que todos os diferentes membros de uma banda tocassem juntos para obter música coerente", disse Marlene Behrmann, neurocientista cognitiva da Carnegie Mellon University, que não participou do estudo.

Os pesquisadores descobriram que, embora o tipo de conexões permanecesse o mesmo nos indivíduos com apenas um hemisfério, diferentes regiões responsáveis ​​pelo processamento de informações sensório-motoras, visão, atenção e pistas sociais fortaleciam as conexões existentes, comunicando-se com mais frequência entre si do que nos cérebros comuns.

Os resultados são encorajadores para pesquisadores e famílias que tentam entender como o cérebro se adapta e funciona após uma hemisferectomia. "Acho que há cada vez mais evidências que sugerem que a plasticidade do cérebro é um fenômeno realmente duradouro", disse o Dr. Gupta.

Fonte: The New York Times
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale com o Portal
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp