18/10/2019 às 09h07min - Atualizada em 18/10/2019 às 09h07min

Luiz Durão: "Se me provoca e não faço, vão me chamar de quê? De gay"

A afirmação é do ex-deputado estadual Luiz Durão, absolvido em primeira instância após ser acusado de estuprar jovem de 17 anos. Político de 72 anos diz que relação sexual foi consensual

Crédito A Gazeta
Luiz Durão saindo do Fórum da Serra após audiência, em maio. Crédito: Carlos Alberto Silva - 29/05/2019

Após ser absolvido em primeira instância em processo no qual figurou como réu por estupro de uma jovem, na época com 17 anos, o ex-deputado estadual Luiz Durão (PDT), 72 anos, afirmou, em entrevista nesta quinta-feira (17), que a relação sexual com a garota foi consensual e sugeriu que a jovem quis ter a relação íntima.

Ao comentar o caso pela primeira vez, Durão afirmou ter se preocupado com a própria reputação. Então, ele "provou" que "é homem" ao evitar insinuações de que, negando a relação, poderia ser chamado de gay.

"Eu sou político, mas sou homem. Se a pessoa quer e me provoca para isso, se eu não faço, vão me chamar de quê? De gay. Pelo menos eu provo que sou homem. Agora pegar à força ou fazer isso ou aquilo, jamais. Nem uma prostituta eu tenho coragem de fazer. E outra, se eu tenho 72 anos e nunca fiz isso, não é agora que vou fazer. E outra coisa, quem quer pegar alguém à força vai para o motel?" Luiz Durão - Ex-deputado estadual

A pedido da mãe da garota, ele dava uma carona para a adolescente, de Linhares até Vitória, quando entrou com o carro em um motel, na Serra. Foi preso na saída, no dia 4 de janeiro deste ano. Ficou detido por cerca de 40 dias, até ser beneficiado por um habeas corpus.

"Ela mesma falou isso [que foi consensual]. Está lá [no processo]: 'você forçou alguma coisa? Não. Ele te forçou alguma coisa? Não. Ele achou que você estava querendo? Sim'. Não precisa dizer mais nada. Agora tem uns que querem fazer justiça, outros partem para fazer injustiça." Luiz Durão - Ex-deputado estadual

Entre prefeitura, Assembleia Legislativa e Câmara dos Deputados, Luiz Durão soma nove mandatos ao longo de mais de 50 anos de carreira. Ele também é empresário do ramo agropecuário e um dos políticos mais ricos do Estado.

"Esse negócio de idade, homem é homem, né. Se me pegasse lá dentro com outro homem, fazia diferença. Mas não. Se ela foi, é porque consentiu. Por que não falou na estrada que não queria entrar? Por que veio desde lá, jogou a saia por cima da perna e cruzou as pernas em cima?", frisou.

Na denúncia oferecida à Justiça, a Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ) argumentou que Durão premeditou o crime de estupro ao dar uma carona para a adolescente. A PGJ considerou ainda, como agravante, o fato de o ex-deputado ter convivência no "âmbito da família" da vítima, com base na Lei Maria da Penha.

"Essa decisão eu já estava com ela na cabeça, porque quem não faz nada, não pode ser acusado de ter feito alguma coisa. Se você pegar o processo dela e der uma olhada, porque eu não posso falar sobre o processo, hora nenhuma ela diz que eu forcei ela à nada que eu fiz nada, entendeu? E eles fazer o que fizeram... Foi mais do que justa essa coisa [decisão da Justiça, de absolvição] aí e graças a Deus o povo toma conhecimento de tudo que aconteceu e está acontecendo", disse.

A acusação diz que Durão agiu para destruir "psicologicamente a resistência da vítima". A denúncia criminal menciona ordem para ela desligar o telefone dentro do motel, mudança no trajeto até a Grande Vitória, "ascensão sobre a vítima" e "visitas mensais" ao núcleo da família da jovem.

Luiz Durão disse estar com a consciência tranquila e aliviado.

"Mas o importante é que hoje a gente tem um alívio. Você já pensou o que é você estar lá injustamente, porque acima de 14 anos se é consensual não é crime, pagando por uma coisa que você não deve? Quarenta e tantos dias ouvindo na televisão de manhã, meio-dia, de tarde: estuprou, estuprou, sem você ter feito nada disso. Você calcula o que é o sofrimento de um homem... Não só de mim, mas da família. Nunca fui num psicólogo, num psiquiatra, hoje tenho que frequentar isso. Tentando ver se volto a ser o que eu era." Luiz Durão - Ex-deputado estadual

A defesa da jovem disse que ainda não tem conhecimento sobre a sentença e, portanto, não faria nenhuma consideração. O Ministério Público Estadual (MPES) adiantou que vai recorrer da decisão que livrou Luiz Durão.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale com o Portal
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp