Baixo Guandu - Quarta-Feira, 17 de Setembro de 2014
Notícias
Entretenimento
Esporte
Multimídia
Baixo Guandu
Serviços
Você é a favor do estacionamento rotativo no Centro de Baixo Guandu?

Sim (71.3%)
Não (28.7%)
Notícia - Brasil
02/10/2013 às 10h11min - Atualizada em 02/10/2013 às 10h11min
Especialistas estudam mordidas de baratas em comunidades indígenas
Professores da Unesp de Botucatu visitaram aldeias no Mato Grosso. Pesquisador inventou uma estratégia caseira para combater a infestação.
329 Views

Pesquisadores notam índios com mordidas de baratas (Foto: Wilson Uieda/Divulgação)

Dois pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu criaram uma estratégia para combater uma infestação de baratas em duas aldeias indígenas localizadas em uma reserva protegida no Estado do Mato Grosso. Os professores Wilson Uieda, do Departamento de Zoologia do Instituto de Biociências da Unesp, e Vidal Haddad, da Faculdade de Medicina da Unesp, tiveram o estudo publicado em um jornal internacional de dermatologia.

“Fui para as aldeias depois de um convite para estudar como os índios se defendiam dos ataques de morcegos, mas ao chegar à reserva vi pessoas sendo roídas por baratas. Foi quando decidi assumi mais coisas e tentar controlar a infestação. As baratas germânicas se reproduzem muito rápido. Por exemplo, cada ovo por conter até 32 filhotes e, em um ambiente favorável, é possível ter, em um ano, pelo menos 100 mil baratas no local”, conta Wilson.

Segundo o professor, as baratas são artrópodes muito comuns altamente adaptadas a viver perto e dentro de habitações humanas e em ambientes escuros. Elas comem fezes, sangue, couro, colas, papel e material orgânico, como a queratina das unhas humanas e da pele. Segundo o estudo, a espécie de maior importância médica é barata alemã e a barata americana. No entanto, a germânica é considerada a principal praga no mundo devido às sua alta taxa de reprodução.

Infestação de baratas está vários locais na aldeia (Foto: Wilson Uieda/Divulgação)
Infestação de baratas está vários locais na aldeia
no Mato Grosso (Foto: Wilson Uieda/Divulgação)

Ferimentos na pele
Na pesquisa, os autores observam que as baratas são insetos presentes em todos os ambientes, incluindo habitações humanas. Eles são responsáveis por efeitos adversos em seres humanos, tais como os fenômenos alérgicos, transmissão de infecções e penetração no canal auditivo de seres humanos. As baratas podem provocar reações asmáticas e irritação nos brônquios em humanos.

“Lembra quando as avós falavam ‘lava a boca que senão entra barata’? Então, é verdade. Elas são atraídas por coisas doces e roem queratina, que está presente na pele. A lesão causada pela roída da barata é um machucado raso que, no máximo, pode apresentar um quadro de infecção leve. A questão do trabalho não era nem mostrar as mordidas e sim, apresentar observações do que a barata pode fazer na pele humana”, ressalta Vidal.

Segundo o especialista, o tratamento deve ser feito com a lavagem do ferimento com água e sabão. Em casos mais intensos, uma pomada com antibiótico pode ser receitada. Além de morder, as baratas são capazes de penetrar nos canais do nariz e das orelhas dos seres humanos. A ação da mordida pode causar feridas dolorosas e comprometer a saúde da pele.

Estratégia caseira
No artigo publicado pelos professores, são descritas duas aldeias indígenas com grandes populações da espécie Blattella germanica que mostra uma alta taxa de mordidas em indivíduos adormecidos. O problema parece ser comum na região embora seja raro nos ambientes urbanos.  De acordo com Wilson, o fato de que a área protegida também dificulta a introdução de medidas para controlar baratas. No entanto, o Governo Federal tem discutido recentemente uma intervenção especializada que busca controlar as baratas nestas e outras aldeias.

Pesquisador inventou uma estratégia caseira para combater a infestação (Foto: Wilson Uieda/Divulgação)
Pesquisador inventou estratégia caseira para
combater a infestação (Foto: Wilson Uieda)

“Tínhamos que pensar em uma estratégia que não prejudicasse a rotina dos índios. Para isso, criamos uma receita que envolve farinha de trigo, açúcar, queijo ralado, cebola e ácido bórico. A massa é parecida com um pão e colocávamos as bolinhas nas ocas e nas palhas. Nunca no chão para que as crianças não mexessem. Com as iscas, percebemos que as baratas morriam em dois a três dias”, frisa Wilson que ainda espera o retorno da estratégia de controle da infestação na aldeia.

Ainda segundo o estudo, a ocorrência destas manifestações é facilitada pela indiferença dos nativos à presença de insetos e a falta de consciência dos danos causada pela transmissão de infecções ou a destruição de seus alimentos. Para Wilson, além da estratégia de controle, é necessário também um debate na área de antropologia e até costumes da população indígena.

“Quando cheguei na aldeia fiquei muito assustado porque nunca tinha visto nada parecido. No entanto, ver que a estratégia que criamos era segura e eficaz fez ver que o trabalho vali a a pena. Na minha opinião, além do controle da epidemia, é necessário também um trabalho em conjunto na área de antropologia e debates para mudar hábitos que os índios cultivam,  já é que os insetos podem causar problemas de saúde e é impossível evitar o contato com o homem branco”, completa.

Professores da Unesp de Botucatu estiveram em aldeias no Mato Grosso (Foto: Wilson Uieda/Divulgação)
Professores da Unesp de Botucatu estiveram em aldeias no Mato Grosso (Foto: Wilson Uieda/Divulgação)


Fonte: G1
Comentários

nenhum comentário cadastrado!

Deixe seu comentário:
(caracteres restantes: 500)
Cód. ( 1754P ):